18 mayo, 2024

Sua origem vem da região Amazônica, principalmente do norte da América do Sul. Onde recebeu o nome de «Mburucuyá».

Em Hawaii, Austrália e outras ilhas do Pacífico Sul foram úteis porque foram favoráveis as condições climáticas e se adaptaram rápidamente. Com a sua grande produção se espalhou para o Quênia, Uganda e partes da África do Sul. Finalmente para a Índia, onde é cultivado de maneira doméstica.

Seu nome foi introduzido por línguas europeias a través dos portugueses.Pela doçura do néctar a fruta é atraente para os insetos.

Sua cultura se originou na Venezuela e no Brasil, que é uma vigorosa videira.

Ela cresce até 20 metros de altura em seu caule e verde no topo. A fruta tem uma baga carnosa vermelha e amarela quando madura.

A mais conhecida é a variedade amarela que cresce em áreas tropicais, mas a variedade roxa que é mais rústica e virgosa onde o crescimento é mais áreas temperadas por isso podem ser cultivadas em altitudes mais elevadas.

O seu ponto de operações é a seguinte, a colheita deve ser feita manualmente moídos para consumo fresco ou processado. A pele não deve mostrar nenhum dano, e deve tomar cuidado extra antes do vencimento.

Para consumir cru não é necessário remover as sementes. Na gastronomia é muito usada em saladas com verduras, onde a sua acidez oferece uma combinação incrível. A polpa é usada para fazer doces, servido com iogurte ou leite.

Sua contribuição energética é o cálcio, ferro e fósforo. Além de fornecer vitamina A e C.

Também a polpa, suco, flores e infundindo as folhas têm um efeito relaxante. Ele pode ser usado como um sedativo ou apaziguador para as dores musculares.

Além de ser uma fruta pode ser usado como óleo, seja para aplicações de alimentos e productos de higiene pessoal, como cremes, loções, sabonetes, shampoo, etc.

Considero que o maracujá é uma das frutas brasileiras mais conhecidas e saborosas para ser usada dentro da gastronomía. Por seu sabor original esta fruta dá à culinaria brasileira um aspeto caraterístico e distinguível para os conocedores e críticos gastronômicos

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *